11/06/2015

RESENHA: Level 2 - Lenore Appelhans

Level 2

Autor(a): Lenore Appelhans
Editora: LeYa
Páginas: 336
Edição: 1
Ano: 2014
"Mas, então, eu morri. E agora não consigo dormir. Exceto, porém, quanto tenho acesso às memórias do meu sono. Você não acredita em quantas vezes vasculhei os dezessete anos e 364 dias de minha vida em busca daqueles raros e ininterruptos períodos de letargia, livres de pesadelos. Porque dormir é minha única e verdadeira pausa neste eterno carretel de lembranças, tanto as minhas como as que aluguei."
Desde sua morte prematura, Felicia Ward está presa no Level 2, uma espécie de limbo localizado entre a Terra e o Céu. Junto com seus companheiros, a garota passa horas intermináveis plugada em uma espécie de câmara, revivendo lembranças de seu tempo na Terra e lamentando o que perdeu: família, amigos e Neil, o garoto que amava. Até que uma menina é encontrada morta em uma câmara vizinha e somente Felicia lembra de sua existência.
Ao mesmo tempo, Julian, um cara perigosamente encantador que ela conheceu em vida, aparece para oferecer uma saída. É quando Felicia descobre a verdade: juntando-se à rebelião para derrubar os Morati, anjos guardiões do Level 2, ela poderá estar com Neil novamente. Suspensa entre o Céu e a Terra, Felicia se encontra no centro de uma luta secular entre o bem e o mal.
As lembranças de sua vida voltam para assombrá-la e, com os Morati a caçá-la, a garota vai descobrir que não é apenas a sua própria redenção que está em jogo... Mas a salvação de toda a humanidade.

É bom...

Felícia está morta e vive em um level 2, que não é a terra e nem o céu. É o meio termo, e neles as pessoas ficam porque ainda não chegaram o tempo de ir para o céu. Lá as pessoas que estão mortas podem reviver todas as suas memórias, em uma câmera/colmeia onde elas assistem todas estas memórias, como se estivessem revivendo. E era assim todo os dias, todo o tempo em que ela estava lá. A única coisa que fugia da rotina era as amigas que fizera lá. Até que um dia um garoto, Julian, aparece gritando pra ela... no entanto nenhuma dessas amigas lembram disso. Ele prometera voltar pra buscá-la. Ela, por sua vez, lembra dele... e de tudo que ele fez com ela e tudo que viveram juntos enquanto vivos. No meio tempo em que ela viu o Julian, ela começa a se perguntar porque estava a tanto tempo na colmeia. E as suas perguntas só aumenta quando uma das suas amigas some e não há nenhuma resposta, nem a outra amiga lembra mais da que havia sumido. 

Julian volta e a leva com ele. E aí então ela começa a descobrir o que está havendo. E descobre que está prestes a acontecer uma guerra, uma rebelião dos "humanos" (que não estão mais vivos e que estão ali no level 2) contra os Moratis, estes por sua vez são anjos que são guardiões do level 2, mas que estão revoltadinhos com Deus e não querem mais serem apenas guardiões, querem passar para o outro plano e saber o que tem lá. 

O livro tinha tudo pra ser incrível, envolvendo coisas sobrenaturais com uma distopia instigante. Era isso que eu achei que aconteceria no decorrer da leitura quando peguei o livro, mas me enganei. Calma pessoal, não estou dizendo que o livro é ruim, pelo contrário. É muito bom pra passar um tempo, não vai te causar grandes impactos, nem nada disso. 

A narrativa é leve e sem descrições demasiadas. É uma leitura até rápida, são 336 páginas que passam rápido, porque a autora escreve bem e é uma leitura bem gostosa. No entanto é o primeiro livro da trilogia a autora poderia e até deveria ter deixado algumas perguntas a mais, ou dá algumas descrições para prepararmos para o que vem a seguir. Sinceramente, cá entre nós, ela poderia ter construído toda a estória e terminado ela nesse livro mesmo. 

Sobre os personagens: A Felícia tem muitas memórias e vamos conhecendo toda a sua história no decorrer em que elas revive essas memórias nessas câmeras. Achei ela bem bacana, gostei bastante da personalidade dela enquanto viva. Depois de morta, achei ela meio repetitiva, só queria correr atrás do namoradinho que morreu junto com ela, e isso me cansou. 
Julian que é um cara diferente dos normais e que deixou a Felícia sozinha em um momento em que ela precisava, no entanto ele é um amor. Ele é um cara apaixonante, lindinho, e prefiro ele do que o 'namoradinho' dela.
Neil é o namorado da Felícia, aparece mais nas memórias dela, ele é gentil e legal. Mas pra mim ele morreria na friendzone, sabe aqueles caras fofos? mas que a gente só iria querer como amigo? haha #soudomal
E tem os pais de Felícia, bom, o pai dela é um amor pena que é um pau mandado da esposa. E esta por sua vez, é uma péssima mãe. Sério, se eu tivesse uma mãe dessas estaria lascada (e ela também XD)

O livro é bom, é bacaninha, mas não sei nem se quero ler os livros que virão (que já foram lançados lá fora, mas não sei por aqui). É um livro, como disse, leve e é bom pra ler em uma tarde sem muitas pretensões. E só. 

Comentário final: Se gostam do gênero, mas ao mesmo tempo quer ler algo leve, leia esse livro. 



2 comentários

  1. Oi, Kamilla!
    Logo quando vi a premissa do livro fiquei bastante interessada. Adoro distopias e essa parecia realmente ter potencial. Uma pena que não é tudo isso realmente.
    Se eu ler um dia, vai ser sem muitas expectativas.
    Adorei a resenha.
    Beijos

    Construindo Estante || Curta a fan page
    #MêsDosNamorados do Costruindo Estante. Concorra a 1 vale presente de R$ 50,00 da Saraiva.
    Participe!

    ResponderExcluir
  2. Ola! Tudo bem?
    Esse livro parece muito interesante. Tenho vontade de lê-lo.
    Adorei a sua resenha.
    Beijinhos e boas leituras! :)
    http://abracalibro.blogspot.com.es

    ResponderExcluir

PAGINAÇÃO