07/08/2015

RESENHA: Memórias de um amigo imaginário - Matthew Dicks

Memórias de um amigo imaginário

Autor: Matthew Dicks
Editora: ID
Páginas: 432
Edição: 1
Ano: 2012
Enquanto Max acreditar em mim, eu existo. Posso precisar da imaginação do Max para existir, mas tenho os meus pensamentos, as minhas ideias e a minha vida, tudo isso separado dele.”
“Max não gosta de gente da mesma forma que as outras crianças gostam. Ele gosta das pessoas, mas bem de longe. Quanto mais afastado alguém ficar de Max, mais ele vai gostar dessa pessoa.”
“Nós dois não gostamos da Sra. Patterson, mas ultimamente ela e Max estão estranhamente próximos. Isso não é normal, muito menos para alguém como o meu amigo. Ele corre perigo, tenho certeza...”
Uma história apaixonante e dramática sobre amor, lealdade e sobre o poder da imaginação. Perfeita para qualquer um que já tenha tido um grande amigo – real ou não...
Simplesmente maravilhoso!

Max é um garoto diferente dos outros, que vive no mundinho particular dele, não gosta de abraços e beijos, de interagir com outras crianças e nem nada do tipo. O livro não nos diz de fato o que o Max tem, mas pelos comportamentos nos dá a entender que ele é um menino autista. E como ele não brinca com outras crianças e sempre fica em dúvida, por exemplo nunca sabe o que escolher as coisas, pra ajudar ele nisso, ele criou um amigo imaginário, o Budo. No entanto pra ele, obviamente, o Budo é real (e pra mim também ❤)

Tudo acontecia normalmente na vida do Max (e Budo), exceto que ele estava conversando muito com a Sr. Patterson, que é uma professora da escola deles. E não contava ao Budo o quê. Até que um dia, numa sexta-feira o Max some. 

E só o Budo sabe quem sequestrou o Max, ninguém mais. 
"Eu sou o Budo e o Max é o meu amigo, e sempre houve apenas uma coisa a fazer: a coisa certa"
Vocês já devem imaginar pela meu resumo quem sequestrou o Max, é uma das coisas que ficamos sabendo no inicio do livro. O importante em si não é isso, mas o que isso acarreta na vida do Max, queria poder comentar mais sobre, no entanto não farei porque sei que soltarei spoiler. 

"Monstros são sempre ruins, mas monstros que não andam nem falam como monstros são os piores."

O livro é todo narrado em primeira pessoa pelo próprio Budo e isso foi uma sacada maravilhosa do autor, pois conseguimos visualizar várias coisas, como os pais do Max, os professores, colegas do Max, dentre outros. Há algumas partes que o Budo se mostra um pouco egoísta, pensando nele, porque como ele é imaginário quando o Max se esquecer dele, ele sumirá. E ele não quer sumir, ele tem muito que isso aconteça. Mas ele aprende, pessoas... ah, ele aprende... 

Esse livro tem uma ideia bem bacana, uma capa mais bacana ainda, mas é bem mais que isso. Ele tem uma história encantadora, que emociona o leitor (sim, eu chorei muito com o final), que nos deixa aflitos, indignados, apaixonados e querendo ter um amigo imaginário. 

Ainda sobre a fantasia e realidade elas são tão críveis que surpreende o leitor, não existe só o Budo de amigo imaginário na história do autor, no decorrer da leitura conhecemos vários, alguns inclusive são de suma importância para história e cada um tem sua peculiaridade. Por exemplo, existe o Oswald, o gigante, que é o amigo imaginário mais alto que o Budo já viu e que é amigo de um adulto e o único que consegue tocar e apertar em objetos "reais". No entanto, em momento nenhum no decorrer da leitura eu fiquei com impressão que estava lendo uma fantasia, algo irreal, mas sim algo normal, como se fosse realidade. Um pouco confuso isso? doido? Não sei, sinceramente, mas o autor nos colocou tudo de tal forma que nos jogamos na leitura e esquecemos do mundo. 

Sobre os personagens: O Max em si é encantador, com o jeitinho singular dele nos cativa e nos faz torcer por ele. O Budo é incrível, quero muito um amigo imaginário que nem ele! Os pais do Max são amorosos, não entendem bem o filho, mas o amam incondicionalmente. 

Sobre capa/diagramação: A capa é linda, no entanto encontrei alguns errinhos no decorrer da leitura, mas nada que me fizesse largá-la (do jeito que o livro me fisgou, ia ser difícil mesmo haha). O espaçamento da fonte é ideal e a fonte não é de um tamanho agradável pra ler.

Comentário final: Sei que a minha resenha não faz jus ao livro, porque ele é muito bom. Então se tiverem oportunidade de lerem esse livro, façam. Porque vocês vão adorar! 

QUOTES: 
"Persistir.
Gosto dessa palavra.
Eu persisto."
"Mesmo quando ele consegue fazer algo do jeito certo, tudo pode dar errado."
"Mas você tem de ser a pessoa mais corajosa do mundo pra sair todos os dias sendo você mesmo, quando ninguém gosta de quem você é."
 


14 comentários

  1. Olá!

    Quero ler, o mais rápido possível! Adoro histórias em que os protagonistas são especiais, sempre me lembro da minha irmã - que é autista - eles são de uma sensibilidade única, de uma delicadeza que só as crianças têm. Apesar dos erros que você citou, acho que a leitura vale a pena. De repente, me lembrei dos meus amigos imaginários da infância...

    resenhaeoutrascoisas.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu nunca tive amigos imaginários, mas deu vontade de ter! hahaha Os erros são poucos, então em relação a isso, pode ficar tranquilha :)
      Beijos

      Excluir
  2. Olá! Tudo bem? Minha irmã tem síndrome down e vive conversando sozinha kkk já até me acostumei. Essa me parece uma história muito emocionante e prazerosa de se conhecer.
    Beijos!
    Participe do TOP comentarista: http://meusdespropositos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olá!! Nunca tinha ouvido falar nesse livro!!
    Adorei a resenha e acrescentei à lista de desejados !!
    Beijos. Seguindo
    mundoemcartas.blogspot.com;.br

    ResponderExcluir
  4. Ahh Kamilla, não sabes o quando me cativou com está resenha, o livro parece ser simplesmente perfeito, quero muito ler. Vou procurar por aqui.

    Beijos e uma ótima semana.
    http://cabinedeleitura1.blogspot.com.br/2015/08/resenha-aparencias.html

    ResponderExcluir
  5. Ah eu amo livros em que o personagem principal é criança. Todos os que eu já li assim me fizeram chorar, porque tem uma pureza e uma singularidade nas palavras e na forma inocente com que é desenvolvido... Acho lindo!
    Não conhecia esse livro ainda, mas super me interessei. Já vai pra lista! hahahahha
    Beijos!
    Vício Literal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, livros com crianças remete a pureza. Leia este, que você vai adorar.
      Beijos

      Excluir
  6. Que plot interessantíssimo!
    não conhecia o livro, mas essas sacadas me deixou bem curiosa.
    infelizmente não vou poder lê-lo nem tão cedo (só se ganhar de alguém. alguém? hahha) mas vou anotar o nome aqui, pois fiquei com vontade mesmo :)
    beijão, Kamilla!
    whoosthatgirrl.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Kamilla, que capa linda é essa? Já comecei a me apaixonar por aí haha
    E amei a tua resenha, fiquei com muita vontade de ler. Fiquei bem curiosa em saber que é o amigo imaginário que narra, quero muito ver como é isso haha'

    Beijos
    Colecionando Primaveras

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela é linda mesmo! Foi uma sacada de mestre do autor colocar o amigo imaginário como narrador.
      Beijos

      Excluir

PAGINAÇÃO