18/08/2017

RESENHA: O Inquisidor - Catherine Jinks

O Inquisidor
Autora: Catherine Jinks
Editora: Contexto
Páginas: 400
Edição: 1
Ano: 2017
Em 1318, padre Augustin, um novo inquisidor, chega a Lazet, na França, disposto a rever processos antigos do Santo Ofício. Pouco tempo depois é brutalmente assassinado e seu subalterno, Padre Bernard, é encarregado da investigação. No entanto, ao tentar proteger quatro mulheres, ele próprio se torna suspeito por seus pares. Acusado de assassinato e perseguido como herege, Bernard terá que lutar por sua vida e a de suas protegidas. As violências praticadas em nome da religião, o intrincado jogo de interesses dos poderosos, o fanatismo, a caça às bruxas e as relações marcadas por luxúria, amor e traição fazem deste romance histórico uma narrativa arrebatadora e – por que não? – terrivelmente atual.
Amor, crime, traição, fanatismo: uma trama surpreendente em um livro arrebatador sobre um dos períodos mais instigantes da história.

Eu não sabia bem o que esperar sobre a obra e fui surpreendida!

Padre Bernard é um investigador no Santo Oficio em Lazet de hereges, aqueles que seguem uma doutrina ou pensamento que fogem do que é estabelecido pela Igreja Católica da época. E sim, há uma perseguição e quando descobertos podem sofrer várias consequências, desde a ficar preso, torturado ou até morto. Porém o Padre Bernard prefere promover uma investigação mais amena e não opta muito por tortura e matanças, e sim com prisões. Ele tem seu superior, denominado de Inquisidor, após o falecimento (por morte natural) do seu superior atual, foi mandado  um novo Inquisidor: o Padre Augustin. 

O Padre Augustin um velho senhor, que foi uma pessoa reservada em Lazet e que é um pouco mais rígido com os hereges. Nunca teve um relacionamento muito próximo ao Padre Bernard, mas nunca foi motivo de rixa entre eles. O Augustin começa a visitar uma cidade próxima, com o intuito de ajudar as pessoas e caçar hereges, e uma dessas visitas ele é brutalmente assassinado. Agora cabe ao Padre Bernard investigar a morte de seu ex-superior. 
O assassinato foi cruel porque cortaram todas as partes do padre, assim como também fizeram com os seguranças que o acompanhavam. E não deixaram nenhum rastro. O que dificulta muito para o nosso protagonista, porém ele tinha várias pitas sólidas e estava indo no caminho que achava certo. Até o novo inquisidor chegar, Padre Pierre-Julien, que é o típico padre que acha que tudo é culpa de demônios, possessão e coisa do tipo.
“A busca pela verdade é tão longa e dolorosa quanto aquela por um homem em pais estrangeiro. O país precisa ser explorado, com muitos caminhos trilhados e muitas perguntas feitas, antes de conseguir encontrá-lo.”
O Inquisidor foge de tudo que eu sou acostumada ler e devo admitir que por mais curiosa que eu estava pela obra, não sabia bem o que esperar e logo surgiu um receio. Porém, a leitura foi ótima. Catherine Jinks tem uma narrativa ótima, que fisga o leitor e mais que isso, te coloca dentro da história. Falando em narrativa, o narrador do livro é o próprio Padre Bernard, que escreveu essa carta para uma outra pessoa com o intuito de se defender. De que, vocês me perguntam? Só lendo pra saber. Como ele é o narrador, temos muitas citações de religiosos conhecidos como Santo Agostinho e muitas divagações, e isso me incomodou um pouco. Às vezes ele se estendia demais pra falar sobre um assunto que não era tão relevante.

“Eu havia sido um idiota, porque o idiota diz tudo o que lhe vem à mente, e o sábio guarda para depois.”
A obra tem muitas reviravoltas, quando você acha que está chegando em um ponto, você é surpreendido. Quando pensa que vai dá tudo certo, a autora te faz de trouxa e coloca mais tensão e com isso, nos deixa aflitos de como será o desfecho. O livro também nos apresenta vários graus de fanatismo e até onde o homem pode chegar com uma visão distorcida do que é Deus ou amor que por ele sente. Usa-o pra justificar suas ações, mas será essas ações são válidas? A busca por hereges também me surpreendeu, por que é cruel a forma como é imposto o que as pessoas devem ou não segui-las. Como li em um comentário sobre o livro “Os mesmos padres que abençoam, são os que punem”, gerando respeito, medo ou desconfiança?
Padre Bernard é um ótimo personagem, mas não pensem que ele é o típico padre certinho. Ele tem seus defeitos e muitos, além de que tem seus momentos de fraqueza em relação a sua posição. A história em si e seus personagens conseguem conquistar o leitor, alguns te geram pena, entendimento e outros muita raiva. Mas isso é que fez a leitura ser tão prazerosa, já que a autora soube colocar o leitor na história. 

“O desespero só resultaria em derrota; se era para dar certo, eu precisava ter esperança.”

Sobre os detalhes: A diagramação está incrível, apesar de ser um livro grosso, a diagramação tem um tamanho de fonte ótima e um cuidado interno bem bacana. Não encontrei erros. Sobre a capa, não é a melhor que tenho na estante, mas não desgosto.

Comentário final: Não quero me alongar na resenha, por isso optei por não falar muito. Indico, inclusive, que não leiam a sinopse da obra que fala um pouco demais. De qualquer forma, O Inquisidor é um ótimo livro e que te deixa curioso a cada página pra saber como vai ser o desenrolar da trama. Leiam, vale a pena!

QUOTES

“Padre, veja como esses livros são belos. Abrem-se como as asas de uma pomba branca. Cheiram a sabedoria. Como alguém poderia queimar um que fosse, se são tão belos e inocentes? Padre, eles são meus amigos.”
“Se você for paciente, amigável e ávido por se surpreender, pode aprender muito com as crianças. Geralmente elas observam coisas que os adultos não percebem.”


21 comentários

  1. Oi Kamilla! Tudo bem?

    Por ser um livro de época e de uma não tão tradicional de ser retratada como 1318 me deixou totalmente intrigado por não saber o que esperar do livro, talvez pela capa com alguns detalhes "pouco" sombrios eu não esperaria boa coisa. Devo admitir que gostei da premissa e junto à sua resenha o livro ganhou meu interesse parcialmente de modo que se eu comprar o livro lerei quando der bastante vontade.

    PARABÉNS PELA RESENHA, AMEI!!!!

    Grande abraço,
    www.cafeidilico.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O livro é muito bom, Victor. Leia sim, vale a pena!
      Beijos

      Excluir
  2. Oi, Kamilla!
    Eu pulei a sinopse antes mesmo da sua dica hahahaha Mas pelo que li da resenha, esse livro super me agradaria. Gostei de saber que tem altas reviravoltas.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Concorra ao livro Depois do Fim autografado

    ResponderExcluir
  3. Achei a resenha ótima (apesar de alguns errinhos bestas de português) e o livro também chamou muito a minha atenção!
    https://joaninhaliterariaa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você poderia, então, me dizer? Fico grata.
      Abraços

      Excluir
  4. Nunca ouvi falar desse livro e confesso que não é um livro do meu estilo, porém a sinopse é bastante intrigante. Resolver um assassinato e depois ainda ser acusado não é nada fácil sair dessa situação!
    Sua resenha está muito boa, pena que a história em si não chamou minha atenção.

    ResponderExcluir
  5. Oi!
    Já faz um tempo que tenho esse livro na minha lista de desejados, mas ainda não tive a oportunidade de ler. Gosto muito desse estilo de leitura, que nos remete a outros tempos e nos informa e faz reflexionar.
    Ótima resenha. Obrigada pela indicação.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Acredito que eu ia adorar conhecer esse romance, primeiro que é histórico e eu gosto bastante de conhecer tais livro; segundo que é um tema que a gente discute bastante no decorrer da vida e que se mostra tão cruel.
    Fiquei um pouco aborrecida com esse padre durão hein? Realmente, os castigos eram dolorosos e dá pena só em ler e conhecer que existiam tais práticas.
    Acho que iria gostar de ver essas citações religiosas, por mais que em diversos livros acontece mesmo de entrar em um assunto que não adiciona tanto assim qualidades ao livro.
    Eu, particularmente, gostei bastante da capa.
    Como sempre, sua resenha foi bastante completa ! Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os castigos são bem tensos mesmo... Obrigada, Bru!
      Beijos

      Excluir
  7. Oi Kamilla,
    Religião sempre se torna um assunto polêmico e quando ele é tema em livro de suspense é ainda mais impactante. Se hoje as pessoas exageram e distorcem as crenças religiosas, imagino quem em 1318 a situação era mais extrema. Um padre fazer o papel de investigador pode ser bem interessante de acompanhar, principalmente quando o caso envolve outro padre. A forma como Augustin foi assassinado demostra muita raiva e brutalidade e fiquei curiosa para saber o motivo de tudo acontecer. O Inquisidor é o tipo de livro que não leria sem ter uma recomendação, pois romances históricos não é um gênero que leio com frequência, mas fiquei feliz com a indicação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um livro bem legal, Gi. Foi bem surpreendente pra mim também, não esperava curtir tanto.
      Beijos

      Excluir
  8. Ainda não conhecia esse livro, tenho um receio muito grande em ler livros que saiam da minha zona de conforto, na grande maioria das vezes acabo não gostando deles, ainda mais quando tem como tema religião, pela resenha, ele parece não seguir muito essa linha e focar mais no assassinato, apesar de ter algumas passagens que se prendem mais nesse assunto, esse não é um livro que leria agora, mas se algum dia estivesse sem nada para ler, acho que daria uma chance a ele.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma surpresa bem legal Giu! Também tinha receio achando que não ia gostar, mas foi muito legal.
      Beijos

      Excluir
  9. Pela resenha fiquei bem curiosa pra ler, adoro livros assim que surpreendem, te enganam e tem reviravoltas, deve deixar o leitor ansioso por cada virada de página para saber dos acontecimentos. Esse fanatismo é cruel que algumas pessoas tem e acham que todos devem se como eles e seguir suas regras. Vou querer ler.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bem legal, que ao mesmo tempo que o fanatismo choca, serve também pra refletir.
      Beijos

      Excluir
  10. Kamilla!
    Gosto muito de livros históricos que envolvem a igreja, porque naquele tempo, elas comandavam (e acredito que tenham se manter no poder até hoje).
    Li O nome da Rosa e é um livro fantástico, se este for parecido, vale a pena a leitura.
    O fanatismo religioso, quando bem abordado em um livro é enriquecedor.
    Desejo um final de semana mais que tranquilo e abençoado!
    “Deus com Sua infinita Sabedoria, escondeu o Inferno no meio do Paraíso para que nós sempre estivéssemos atentos.” (Paulo Coelho)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE AGOSTO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
  11. Não conhecia o livro, mas fiquei bem curiosa com a trama.
    Não é uma gênero que tenho costume de ler, mas parece ser um bom motivo para sair deste comodismo.
    Livros que envolvem igreja e religião são sempre temas que quando abordados rendem uma história ótima!
    Adorei a dica.

    beijinhos
    She is a Bookaholic

    ResponderExcluir
  12. Olá Kammilla!
    Não conhecia esse livro, a historia realmente é muito interessante. A trama te envolve de uma maneira que faz fica curiosa por tudo que esta passando na trama, tenta descobrir vários mistérios. Um gênero como esse não tenho costume de leitura mas com certeza procurarei uma oportunidade para ler.

    ResponderExcluir

PAGINAÇÃO