01/09/2017

RESENHA: O Último Adeus - Cynthia Hand

O Último Adeus
Autora: Cynthia Hand
Editora: Darkside Books
Páginas: 354
Edição: 1
Ano: 2016
O Último Adeus é narrado em primeira pessoa por Lex, uma garota de 18 anos que começa a escrever um diário a pedido do seu terapeuta, como forma de conseguir expressar seus sentimentos retraídos. Há apenas sete semanas, Tyler, seu irmão mais novo, cometeu suicídio, e ela não consegue mais se lembrar de como é se sentir feliz.
O divórcio dos seus pais, as provas para entrar na universidade, os gastos com seu carro velho. Ter que lidar com a rotina mergulhada numa apatia profunda é um desafio diário que ela não tem como evitar. E no meio desse vazio, Lex e sua mãe começam a sentir a presença do irmão. Fantasma, loucura ou apenas a saudade falando alto? Eis uma das grandes questões desse livro apaixonante.
O Último Adeus é sobre o que vem depois da morte, quando todo mundo parece estar seguindo adiante com sua própria vida, menos você. Lex busca uma forma de lidar com seus sentimentos e tem apenas nós, leitores, como amigos e confidentes.

Esse livro foi escolhido pra ser a primeira resenha do mês de setembro, por um grande motivo: Setembro (amarelo) é o mês da conscientização do suicídio, o intuito é promover alertas e campanhas para a população sobre essa realidade no Brasil. Para maiores informações sobre o mês cliquem aqui

O Último Adeus conta a história da Lex, que fez pouco tempo que perdeu seu irmão mais novo. O Tyler (Ty) se matou e deixou um único post-it pra sua mãe “Desculpa, mãe, mas eu estava muito vazio”. A nossa protagonista possui 18 anos e é a narradora da história e é através dela que sabemos mais sobre a tragédia e como ela e a mãe estão reagindo a tudo que aconteceu. 

Lex se sente em parte culpada por não ter ajudado ao Ty e fica revivendo momentos, pensando como poderia ter evitado o suicídio do irmão. Ela não consegue digerir o que aconteceu, sempre que pensa no assunto sente uma dor, um buraco no peito, por isso ela começa a fazer terapia, e o terapeuta sugere então que ela escreva em um caderno sobre o que sente, já que é difícil pra ela externar e talvez ela se sinta um pouco melhor. 
“A caneta não parece natural na minha mão. É muito mais pesado do que o lápis. Permanente. Não existem borrachas na vida. Eu riscaria tudo e começaria de novo.”
Além do falecimento do Ty, ela tem que lidar com a mãe que está sofrendo muito e sempre fica chorosa. Com o pai, que ela e o irmão já não tinham uma relação bacana, já que ele deixou a família pra ficar com outra mulher. É difícil também lidar com os amigos após a perda, alguns não sabem como agir, ela não sabe como agir e acaba afastando-os.
A única coisa que eu sabia sobre a obra era que falava sobre um assunto sério e que provavelmente iria me fazer chorar. E sim, é isso que mencionei e mais. A obra fala não só sobre o suicídio, mas principalmente quanto isto afeta - não quem vai - mas quem fica pra lidar com a dor da perda. E foi incrível ler essa história.
“As pessoas que amamos nunca se vão de verdade.”
A obra é narrada em primeira pessoa pela própria Lex, lembram da sugestão do terapeuta? Os capítulos são alternados entre as escritas do diário e o que está acontecendo com a nossa protagonista no momento. O que dá mais dinamismo e faz o leitor ficar mais próximo da personagem e da história. A Lex é uma menina incrível, inteligente, que ama números, mas que sente uma falta imensa do irmão e não consegue simplesmente seguir com a vida, parece que não é o certo. E nós vamos acompanhando nela nessa jornada de aprender a conviver com o que aconteceu e vê-la amadurecendo em relação a várias coisas, como por exemplo em relação ao pai.
“O perdão é confuso, Alexis, porque, no fim, tem mais a ver com você do que com a pessoa que está sendo perdoada.”
Devo admitir que é um pouco difícil de fazer essa resenha, porque a medida que vou relembrando da história, vai me dando vontade de chorar. O Último Adeus me tocou profundamente, aliás o livro é profundo e trás tantas questões atuais e que deveriam ser mais debatidas, como o suicídio e a depressão, onde ambas as coisas - infelizmente - ainda são taxadas com frescuras. A obra me fez refletir bastante a cerca desses assuntos.

Além da Lex, dos seus pais e do Ty através deles, conhecemos outros personagens, os amigos da protagonista, e como isso acaba sendo difícil pra eles também, vendo ela e não sabendo bem como agir. O leitor consegue visualizar isso através da própria personagem, que menciona essa mudança de comportamento e entende, mas que de alguma forma acaba sendo difícil pra ela e nós conseguimos entendê-la, por mais que eu achasse que ela deveria se abrir mais, é difícil, sempre é.
“É uma baita clichê, a ideia de que 'o tempo cura todas as feridas', mas é verdade. Os clichês são clichês por algum motivo, acho.”
Sobre os detalhes: O projeto gráfico desse livro é simplesmente incrível, sabe-se que a Darkside sempre arrasa e com essa obra não foi diferente. A capa é amarela, creio que em alusão ao Setembro Amarelo, além disto a cor da fonte é azul. Lembram do diário que o terapeuta sugeriu a Lex? Antes dessas passagens aparecem rabiscos de canetas e a medida que a história vai se passando e protagonista vai começando a lidar com o que aconteceu, esses rabiscos vão diminuindo. O que achei sensacional esse pequeno cuidado.

Comentário final: Essa obra é intensa, faz o chorar, mas acima de tudo faz você pensar. Sobre você e sobre as pessoas a sua volta. Já li que essa história era sobre superação, nunca achei essa palavra a certa pra descrever, porque a dor sempre estará ali. Essa história é de como as pessoas tentam pouco a pouco a conviver com essa dor. E vale muito a pena!
~~~
Se você precisa de apoio, de alguém pra conversar podem entrar em contato com o CVV - Centro de Valorização da Vida realiza apoio emocional e prevenção do suicídio (clique aqui). Tem vários meios que você possa ter contato com eles, é gratuito e o contato vai ser só entre vocês (total sigilo). O contato pode ser feito a qualquer hora, em qualquer dia da semana.


27 comentários

  1. Oi Kamilla, a história parece ser bem emocionante e tratar de temas que devem sim ser mais debatidos, depressão e suicídio são problemas graves e ler livros que abordam esse tema e falar sobre eles ganha uma importância gigante. Curti a resenha, ainda não li o livro, mas fiquei interessada e se é da Darkside com certeza a edição deve estar maravilhosa.
    P.S: Achei bem legal você incluir um canal de comunicação pra prevenir o suicídio, parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um livro bem necessário, Lili! E sim, a edição está incrível.
      Obrigada <3
      Beijos

      Excluir
  2. Oi, Kamilla!
    Eu quero muito ler esse livro. Depressão e suicídio são assuntos que a sociedade, infelizmente, ainda não dá muita atenção e o devido interessante em tratá-los.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do sorteio de aniversário do Balaio de Babados e O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  3. Oi Kamilla! Tudo bem?

    Amiga não estou nada bem com essa resenha, ela me deixou bem curioso para ler, ainda mais pelo tema que ganha espaço no meu coração para que seja apoiado e externado. Fico pensando quando teremos apoio mutuo a causa, genuinamente.

    Adorei a premissa e a capa é um amor. Quando vi que estava lendo fiquei curioso por saber qual seria a do livro porque não havia lido uma crítica do mesmo.

    Grande abraço,
    www.cafeidilico.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um tema que deve ser conversado, debatido, né?! O livro é incrível, vale a pena!
      Beijos

      Excluir
  4. Kamilla!
    A autora foi bem corajosa ao abordar dois temas fortes: suicídio e depressão.
    Li uma entrevista onde o pesquisador informava que a depressão é a doença do século XXI.
    Temos de ser observadores constantes de quem amamos para identificar os sintomas e para que não chegue a atitudes extremas como o suicídio.
    O livro deve ser uma leitura densa, ainda mais com as experiências da própria autora.
    Desejo um mês repleto de realizações e um final de semana de alegrias.
    “A sabedoria é um adorno na prosperidade e um refúgio na adversidade.” (Aristóteles)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE SETEMBRO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Já tinha visto esse livro na livraria, mas não chegou assim, me chama atenção mas ler a resenha fiquei bem curiosa para ler. A historia dessa família me deixou de coração partido, suicídio é muito grave, acaba fazendo outras pessoas sofrerem. Já entrou na lista de desejados!

    ResponderExcluir
  6. Faz um tempo que quero fazer essa leitura, é importante e interessante, pois nunca sabemos se vamos passar por isso algum dia. Gostei pir abordar o lado das pessoas que ficam, é muito dificil lidar com uma perda. É uma leitura reflexiva e que mexe com nossas emoções.

    ResponderExcluir
  7. Essa capa me incomoda um pouco pelo tamanho do nome da autora... toda vez que me deparo acho que o livro chama Cynthia & Hand hahaha
    Que pesada a história! Apesar do nome as cores da capa são tão levinhas que eu jurava que era algum romancinho bobo, nunca tinha lido resenha.
    Só não ficou muito claro pra mim se ela e o irmão eram muito próximos? Ela era muito apegada à ele?


    http://www.cafeidilico.com

    ResponderExcluir
  8. Oii Kamilla, tudo bem? Mais uma resenha linda <3 E que amor você ter postado para marcar o início do Setembro Amarelo! Eu quero muuuuito ler esse livro. Livros com esse tema me chamam bastante atenção, e já li vários. Esse está na listinha há bastante tempo, mas ainda não consegui adquirir meu exemplar :( Sua resenha só me deixou com mais vontade de ler.

    Super beijo!
    http://umaleitoravoraz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia, Gaby! Você vai gostar e muito ♥
      Beijos

      Excluir
  9. Eu havia colocado esse livro na minha wishlist apenas por causa da capa, nunca pensei que fosse algo desse gênero. Quando li a palavra suicídio, só lembrei de Os 13 porquês, então acho que vou ficar muito emocionada com essa história também!
    https://joaninhaliterariaa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oi Kamilla,
    ótima escolha para começar o mês. Não conhecia o livro, mas creio que ia ficar bastante tocada pois é um tema muito difícil e que mexe com todos.
    Parece ser um livro para refletirmos muito.
    Amei a dica, e irei anotar.

    beijinhos
    She is a Bookaholic

    ResponderExcluir
  11. Oi Kamilla! Todo mês de setembro eu lembro desse livro e lembro que ainda não li! pena sua resenha já dá pra ver que é uma obra realmente intensa e necessária e essa edição da Dark está linda demais! Adorei ler a sua opinião, espero conseguir conferir em breve!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  12. Certamente este está numa das primeiras colocações da minha lista de desejados. Que baita resenha, mesmo parecendo uma história tri pesada, deve ser cheia de emoções e sensações. Querooo!!!

    ResponderExcluir
  13. Uau!
    Imagino o quanto deve ter sido difícil pra você escrever a resenha, porque meu coração se apertou só de ler.
    O último adeus será uma das minhas próximas leituras (não sei se conseguirei ler em Setembro), e depois dessa resenha minha vontade de ler só aumentou.
    É incrível como um post-it pode conter uma frase tão dolorosa. Além disso, essa é uma situação que está acontecendo em cada lugar do mundo. E precisamos falar disso, olhar para o outro.
    Lex usar um diário como terapia é muito legal (aliás, gosto de livros que contenham trechos assim), a escrita salva.
    Aaaah, essa resenha me emocionou. Quero poder conhecer melhor essa história.
    Os quotes são belíssimos e profundos.

    P.S. "Não rotule o sentir"
    Cada ser é importante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, a obra é incrível e vale muito a pena ser lida. Passa ele na frente, porque é um livro que nos faz pensar e refletir, além de ter uma escrita viciante.
      Beijos

      Excluir
  14. Livros sick-lit com certeza são os que eu tenho mais dificuldade de ler, não por acharem eles ruim, mas por possuírem uma carga sentimental tão grande, que na maioria das vezes não aguento, achei bem interessante a autora mostrar o sofrimento das pessoas que perderam alguém próximo, por mais que um filho ame uma mãe, a depressão é tão forte que nem mesmo esse amor é capaz de suprir o vazio que a pessoa sente, acho o setembro amarelo uma campanha super importante, principalmente pelo fato de que aqui no Brasil, depressão, suicídio, distúrbios alimentares e entre outros ainda são vistos como frescura ou formas de chamar a atenção.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ter um mês de conscientização é super importante mesmo! Sempre alertar e não achar esse tipo de coisa frescuras. O que infelizmente acontece.
      Beijos

      Excluir
  15. Não gosto de ler livros com temática de suicidio, mas acho importante esse assunto ser tratado.
    Não sabia sobre setembro amarelo e acho legal a iniciativa.
    Gostei do começo e o fim do post vc ter enfatizado onde pessoas podem procurar ajuda no caso delas precisarem.
    Tenho alguns livros da Darkside e gosto muito do cuidado que eles têm com eles.

    ResponderExcluir
  16. Oláaaa ! Só de ler a sinopse me dá uma enorme vontade de ler, os livros da Editora Dark são perfeitos e muito desejados por mim, a premissa deste parece ser muito boa, e bastante envolvente . Adorei a idéia de colocar o livro justamente interpondo a conscientização do suicídio, que é feita no setembro amarelo ! A história parece ser bem marcante, você mandou muito bem na resenha ! x'D
    Beijos ♥

    ResponderExcluir
  17. Uau..adorei a resenha..esse com certeza é um livro que vou adquirir em breve.
    Sempre me interessei sobre esses assuntos, acho que no futuro vou fazer psicologia.
    E o que acontece com a personagem pode acontecer com qualquer um, pode ser suicidio ou simplismente uma morte natural de um ente querido. Minha mãe por exemplo, quando meu pai morreu, entrou em depressão e fez terapia, sessoes com psicologos. Mas graças a Deus depois de uns anos ela se recuperou e o luto foi curado.
    Mas isso depende muito de cada um, uns aceitam com mais facilidade, outros como a personagem demoram mais.

    ResponderExcluir
  18. Puxa, suicídio é sinal que nada vai bem, tive duas colegas que fizeram isso, então o assunto me deixa triste. Mas setembro é o mês de concientização de algo muito relevante. Creio que não lerei esse livro, mesmo a história sendo muito boa, mas indico a todos que precisam saber mais sobre o assunto.

    ResponderExcluir
  19. Olá, tudo bem?
    Foi uma ótima escolha trazer esse livro como o primeiro de setembro pra falar de um assunto muito sério que é o suicídio. E que bom que esse livro aborda esse tema tão forte e ao mesmo tempo “tabu” na sociedade, onde muitas pessoas não entendem como as pessoas estão se sentindo por dentro e acaba julgando-as; é horrível isso. Adorei a dica que você trouxa, vou procurar o livro pra comprar, pois eu adore a premissa do livro.
    Adorei a dica e bom começo de mês.
    Beijos.

    ResponderExcluir

PAGINAÇÃO