10/11/2017

RESENHA: Fortaleza Impossível - Jason Rekulak

Fortaleza Impossível
Autora: Jason Rekulak
Editora: Arqueiro
Páginas: 272
Edição: 1
Ano: 2017
Um trio de garotos esquisitos e uma nerd brilhante que esconde um grande segredo. Um inesperado romance que nasce em meio a computadores e disquetes. Um ousado e perigoso assalto para roubar a edição de maio de 1987 da revista Playboy, com imagens escandalosas de uma famosa apresentadora de TV. Todos esses elementos se unem para compor Fortaleza Impossível, um romance que fará você rir, se emocionar e recordar a maravilhosa sensação de se apaixonar por algo – ou alguém – pela primeira vez.

Oi Leitores, tudo bem com vocês?

Confesso que ouvi tantos comentários e de tantas formas possíveis sobre esse livro que não consegui resistir, quando tive a chance de tê-lo nas minhas mãos a decisão de colocá-lo como prioridade foi imediata! Devo dizer que foi uma leitura muito gostosa e que foi exatamente aquilo que eu imaginei dele, principalmente por ter lido comentários anteriores eu já havia me preparado para possíveis decepções ou surpresas.
A história se passa no ano de 1987, em uma pequena cidade localizada em Nova Jersey onde Alf, Clark e Billy realizavam suas aventuras de meninos. Billy e sua mãe moravam sozinhos e, como ela trabalhava no turno da noite, ele ficava sozinho em casa com os amigos todos os dias, regados à pizzas, milk-shake, TV, jogos e muita conversa, coisas que adolescentes de 14 anos entendem muito bem. Porém, um certo dia, Alf chegou da loja de Zelinsky com uma novidade que mudaria a vida dos três para sempre: Vanna White, a apresentadora da Roda da Fortuna, teve suas fotos publicadas na Playboy.

Desde então, a única coisa que passava na mente deles era como conseguir um exemplar da revista, já que ela só era vendida para maiores de idade. Eles começaram com um plano bem simples: ficarem parados na porta da loja até passar alguém que tivesse idade suficiente para comprar e que se dispusesse a ajudar um trio de adolescentes. Porém o plano falhou e então entrou em ação o Plano B: ir até a loja, vestidos como empresários e fingirem que são maiores de idade, e é aí que entra em cena Mary Zelinsky que, depois de alguns minutos de conversa, conta para Billy que irá acontecer o Concurso Anual dos Jovens Programadores e que ele deveria se inscrever. Billy era fissurado em programação e seu grande sonho era viver da criação de jogos e nunca havia conhecido ninguém que entendesse o mundo que ele sonhava da forma com a qual vira que Mary compreendia, então, apesar de um Plano B que falhou, ele queria voltar naquela loja e continuar conversando com ela.
Apesar de ele e Clark serem meus melhores amigos, eu não tinha contado aos dois que meu plano secreto, quando crescesse, era criar videogames e viver disso. Eu queria ser o próximo Mark Cerny, o brilhante projetista de jogos contratado pela Atari quando tinha apenas 17 anos. Queria trabalhar com visionários como Fletcher Mulligan, o lendário fundador da Digital Artists, e ter minha própria empresa de software. Tudo isso parecia loucura quando dito em voz alta - como declarar que você ia ser astronauta ou presidente dos Estados Unidos. Quando os adultos perguntavam o que queria ser quando crescesse, eu apenas dava de ombros e murmurava: "Não sei."
Depois de várias tentativas e nenhum sucesso, os meninos decidiram chamar uma pessoa para ajudar na operação: Tyler Bell, um garoto que era três anos mais velho que eles e que tinha fama de bad boy na escola. E é aí que eles decidem realizar um assalto na loja de Zelinsky para obter o modelo da Playboy, porém há um ponto crucial para que tudo dê certo: descobrir a senha do alarme da loja. Sendo assim, Billy se oferece para se aproximar de Mary para conseguir a senha, porém, na verdade, ele queria uma desculpa para fazer amizade e ao mesmo tempo obter ajuda dela para se inscrever no concurso com o seu jogo: Fortaleza Impossível. Desde ponto em diante, Billy descobre que a vida dele nunca mais será a mesma, tanto no jogo, quanto no amor. 
Senti como se Mary tivesse de algum modo lido a minha mente. Perdi a conta das vezes em que sonhei acordado, momentos antes de cair no sono, com aquele mesmo cenário.
- Você é maluca - falei. - Onde arranja essas idéias engraçadas?
- Isso vai acontecer, Will. - Ela me olhou com certeza absoluta, irradiando uma confiança que jamais conheci em mais ninguém. - Só quero que me prometa que um dia vai me deixar visitar a mansão. Tem que prometer que nunca se esquecerá de mim.
Fortaleza Impossível foi um livro gostoso de ler e que me trouxe tantos pensamentos diferentes, coisas que sequer haviam se passado pela minha cabeça, como o fato de que há 30 anos atrás fazer jogos com desempenho bom era algo extremamente difícil e demandava um gasto excessivo para se obter os computadores mais atuais. Além disso, poucos eram aqueles que conheciam e sabiam ensinar linguagens de programação, o que tornava tudo ainda mais complicado para aqueles que, como Billy e Mary, tinham o dom e queriam sempre aprender mais e mais. 

A leitura desse livro foi extremamente fluida, tão logo já me vi terminando ele e querendo saber mais da história do que motivou o autor a escrevê-lo! A capa foi feita com muito cuidado e com um design impressionante e cheio de detalhes e a cada vez que eu lia sobre o jogo no livro me pegava imaginando algo semelhante ao que podemos ver na capa e isso foi incrível. Além disso, todos os capítulos começam com um código de programação que foi feito de forma muito minuciosa e tornou os intervalos da história divertidos. 

A história em si possui poucas falhas, uma delas é o famigerado bullying envolvendo racismo, gordofobia, dentre outras coisas e que é tão comum na idade deles (não estou dizendo que é certo, só estou dizendo que é comum!). Além disso, devemos colocar em questão o fato de que estarmos falando de cerca de 30 anos atrás, onde a palavra bullying ainda nem existia e os tabus não eram colocados de forma escancarada como tem-se visto cada vez mais atualmente, então não sei dizer ao certo o quanto isso me incomodou durante a história, mas incomodou de certa forma sim. Pontas soltas praticamente inexistem, mas confesso que eu gostaria de um pouco mais do final, achei ele meio morno diante das expectativas que criei, acredito que eu esperava ver algo a mais do futuro de Billy.

Por fim, é um livro que eu indico para quem gosta de um romance gostoso e com uma boa dose de humor e coisas idiotas que adolescentes fazem e que sabem que vão se arrepender depois. Uma coisa bem legal é que o jogo realmente foi desenvolvido e está disponível para que possamos jogar, além disso o autor te desafia a bater o record dele hahaha Quem tiver interesse em conhecer pode clicar aqui. Um xêro e até semana que vem!


10 comentários

  1. As resenhas que leio desse livro sempre me fazem ficar nostálgica haha, o mesmo acontece quando eu assisto Os Goldbergs (uma série que se passa nos anos 80 também), então, sem nem ter vivido tanto assim essa época (nem pergunte minha idade kkkk) eu me sinto conectada com as histórias que se passam nesse período e por isso tô super interessada em ler essa história. Eu curti muito a resenha e acho que vou curtir esses planos loucos dos garotos pra conseguirem a tal revista e o romance parece leve e fofo, do jeitinho que curto ler de vez em quando. Assim, ótima resenha, quero sim ler esse livro futuramente ;)

    ResponderExcluir
  2. Ah, que legal, tinha visto sobre esse livro outras vezes mas imaginava uma história totalmente diferente.
    Gostei de saber sobre o jogo, e ser passado em um outro tempo é bem interessante, porque as coisas eram totalmente diferentes .
    O autor é bem ousado em querer que alguém bata o recorde dele. Haha

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi, Hemely!
    Eu tinha uma ideia completamente diferente desse livro. Ainda bem que não li antes de ver sua resenha porque eu ia me decepcionar com certeza.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe das promoções em andamento e ganhe prêmios maravilhosos

    ResponderExcluir
  4. Ola, Gosto muito de livros de adolescente, justamente por ser romances leves e divertidos, quero conhecer as loucuras que fizeram para consegui a revista e saber se realmente conseguiram, muito bom saber que a leitura é fluida,mais uma pena que o final não foi oque você esperava, gostei muito da resenha e com certeza vou ler!!

    ResponderExcluir
  5. Oi Hemely, tudo bem? bacana vc ter avisado sobre a questão do bullying, estou com livro na minha estante, mas até agora não estava muito a fim de ler, mas lendo a resenha eu fiquei, gosto de leituras assism, mas gostosas de ler!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  6. Parece ser um livro, divertido e legal, nos leva a pensar em quando eramos adolescentes quer dizer quem já passou dessa fase, essa historia de planos para conseguir o que quer e suas artimanhas me deu uma saudade agora, achei legal a amizade entre eles nessa fase é importante tê-las aliás em qualquer fase da vida rs.

    ResponderExcluir
  7. Hemely!
    Fiquei bem dividida quanto a ler ou não esse livro.
    É que 'voltar' aos anos 80 seria ótimo, já que foi a fase da mminha adolescência, agora esse lance dos jogos e computador, além do amigo idiota que só faz besteiras, não me deixou muito empolgada não...
    Desejo uma semana carregadinho de luz e paz!
    “ Inteligência não é não cometer erros, mas saber resolvê-los rapidamente.” (Bertolt Brecht)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA novembro 3 livros, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  8. Oi Hemely! Tudo bem?

    Estes livros GEEKs não me agradam muito, mas alguns me parecem bem legais apesar de eu ainda não ter lido este.

    Grande abraço!
    www.cafeidilico.com

    ResponderExcluir
  9. Primeira resenha que leio sobre este livro, e realmente a capa dele nos chama muito a atenção. Confesso que achei a proposta do livro bem jovem, não seria um tipo de proposta que me interessaria a leitura, mas é sempre válido a gente saber um pouco mais sobre a historia.

    ResponderExcluir
  10. Oi.
    Eu adorei essa capa.
    Porém não posso dizer o mesmo sobre a premissa do livro, não gosto muito desse tipo de livro, por isso não sei se essa é uma leitura que eu arriscaria ler, a coisa toda de jogos não faz muito meu forte, enfim, não sei se leria.
    Bjs.

    ResponderExcluir

PAGINAÇÃO