20/02/2018

RESENHA: Passarinha - Kathryn Erskine

Passarinha
Autora: Kathryn Erskine
Editora: Valentina
Páginas: 224
Edição: 1
Ano: 2013
No mundo de Caitlin, tudo é preto e branco. Qualquer coisa entre um e outro dá uma baita sensação de recreio no estômago e a obriga a fazer bicho de pelúcia. É isso que seu irmão, Devon, sempre tentou explicar às pessoas. Mas agora, depois do dia em que a vida desmoronou, seu pai, devastado, chora muito sem saber ao certo como lidar com isso. Ela quer ajudar o pai – a si mesma e todos a sua volta –, mas, sendo uma menina de dez anos de idade, autista, portadora da Síndrome de Asperger, ela não sabe como captar o sentido. Caitlin, que não gosta de olhar para a pessoa nem que invadam seu espaço pessoal, se volta, então, para os livros e dicionários, que considera fáceis por estarem repletos de fatos, preto no branco. Após ler a definição da palavra desfecho, tem certeza de que é exatamente disso que ela e seu pai precisam. E Caitlin está determinada a consegui-lo. Seguindo o conselho do irmão, ela decide trabalhar nisso, o que a leva a descobrir que nem tudo é realmente preto e branco, afinal, o mundo é cheio de cores, confuso mas belo. Um livro sobre compreender uns aos outros, repleto de empatia, com um desfecho comovente e encantador que levará o leitor às lágrimas e dará aos jovens um precioso vislumbre do mundo todo especial dessa menina extraordinária.

Oi Apreciadores, tudo bem com vocês?

Finalmente eu consegui comprar meu Kindle e através do Kindle Unlimited eu estou conseguindo ler títulos incríveis, os quais sempre tive vontade de comprar e faltava aquela graninha. Passarinha foi um deles, eu recebi a indicação dessa leitura há uns dois anos atrás e acabei protelando-a pela falta do livro físico mas, gente, como me arrependo de não ter lido antes!
O livro traz a história de Caitlin, uma garota incrível que possui Síndrome de Asperger e ainda está aprendendo a conviver em sociedade quando sofre uma perda terrível: o seu irmão, Devon, foi assassinado à pouco tempo e tanto ela, quanto seu pai, as pessoas da sua escola e toda a comunidade estão tentando lidar com a situação de forma a encontrarem, cada um ao seu jeito, um desfecho e uma forma de entenderem e aceitarem tudo isso.
O cinzento do lado de fora também está do lado de dentro. Dentro da sala. Dentro do armário. Dentro de mim.
Em primeiro lugar, preciso ressaltar o quanto eu amo essa capa e o quanto ela tem sentido diante da história. Não posso dizer muito sobre a diagramação, já que li em e-book, mas a divisão dos capítulos e a conexão entre eles foi feita de forma perfeita, trazendo consigo um livro que flui facilmente, além de contar uma história linda em um número de páginas mais do que suficiente. Esse é um daqueles livros pra se ler em uma tarde e que a leitura vale por uma vida.
Acho que vai doer. Mas talvez depois da dor eu consiga fazer uma coisa forte e bonita de tudo isso.
A protagonista, devido à Síndrome de Asperger, possui dificuldades em se socializar, de fazer amigos e não lida nada bem com pessoas que invadem o seu Espaço Pessoal, o que dificulta bastante a sua vida, e Devon era a pessoa que a ajudava a lidar com tudo isso, que dava dicas para que ela pudesse se socializar e se sentir bem mesmo em meio às outras pessoas, que cuidava dela e a tratava da forma mais cuidadosa possível, mas agora sem ele, Cait se sente perdida e precisa redescobrir como lidar com a perda do irmão, a tristeza do pai e o desafio de fazer alguns amigos.
Não quero Devon por perto de um jeito diferente. Quero Devon por perto do mesmo jeito. Do jeito que era antes. Quando ele faz pipoca e chocolate quente pra mim. E me diz o que falar e que roupas vestir e como não parecer esquisita para as outras crianças. E ele joga basquete comigo. Sempre me dá uma chance de vencer tropeçando ou se mexendo devagar ou indo para o lado errado quando driblo. [...]Esse é o Devon que eu quero. Não o que fica flutuando no ar.
Cait é uma personagem incrível e que te faz querer abraçá-la até ela sumir! Apesar das suas dificuldades, ela tem uma determinação e uma força de vontade de fazer as coisas acontecerem que é nada menos que inspirador. Ver ela descobrindo as coisas do mundo, se autoconhecendo e reconhecendo sentimentos alheios é algo lindo e que abre muito a nossa mente para que saibamos lidar com pessoas que possuem esse mesmo tipo de síndrome, nos fazendo entender o quão peculiares eles são e o quanto isso nada tem a ver com serem melhores ou piores do que ninguém. O livro abre margem para uma série de tabus a serem quebrados e isso é o que o torna incrível, pois trata de assuntos difíceis de uma forma leve e prazerosa.
Embora eu não achasse que ia gostar da empatia ela é uma coisa assim que chega sem avisar e faz você sentir um calorzinho gostosos no Coração. Acho que não quero voltar para uma vida sem empatia.
Por fim, quero ressaltar para que vocês não deixem de ler! É um livro atemporal e que pode e deve ser lido por qualquer pessoa de qualquer idade. Há várias Caitlins por aí que só precisam de pessoas que as entendam e que, ao contrário de muitos dos seus colegas que faziam bullying com ela, possam dar suporte e atenção da forma que elas precisam. Um xêro e até semana que vem!


9 comentários

  1. Oi Hemely.
    Já li esse livro e é um dos meus favoritos.
    É uma história tão linda e escrita com tamanha sensibilidade. Não tem como não gostar.
    A Cait é uma ótima personagem que dá vontade de protegê-la de tudo de ruim no mundo.
    Gostei muito de acompanhar a interação de Cait com seu pai. Adorei o final!
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Tenho vontade de ler, parece ser uma historia muito comovente e com aprendizado, deve ser bonito acompanhar o crescimento da personagem em aprender a se a socializar, não deve ser nada fácil. Deu para perceber que a personagem é bem cativante e que nos conquista fácil.

    ResponderExcluir
  3. Aah, que resenha linda! Já quero esse livro
    Aborda um tema super delicado e extremamente necessário que seja abordado, e mostrar que ser diferente é tão normal.
    A capa é muito bonita, acredito que capta a essência da história.
    Já estou desejando conhecer a Cait e sentir tudo o que você descreveu.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Hemely!
    Parabéns por ter conseguido comprar seu Kindle, facilita muito, né?
    Há muito escuto falar do livro,, mas ainda não tive oportunidade de ler.
    Tão bom quando um livro nos mostra que nosso ponto de vista não é o único certo e que podemos ver as situações de formas diferentes e ir em busca de novas soluções.
    Imagina isso em uma criança autista? Deve ser fantástico!
    Uma semana abençoada!
    “Acredite na justiça, mas não a que emana dos demais e sim na tua própria.” (Código Samurai)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA FEVEREIRO: 3 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  5. Oi Hemely,
    Nunca li um livro onde o protagonista tivesse autismo e, acredito que passar por essa experiência será impactante para mim. Sei pouco sobre a Síndrome de Asperger e sei menos ainda como uma pessoa nessa condição se comunica e vive em sociedade. Passarinha aborda o luto por outra perspectiva e faz o leitor se lembrar que cada pessoa tem seu jeito de ser e a forma como reage a uma tragédia não é um padrão a ser esperado de todos. Caitlin vai passar por um dos momentos mais difíceis na vida do ser humano e fiquei imaginando como ela irá expressar os seus sentimentos e de que forma ela conseguirá o apoio necessário para ajudar seu pai e conseguir seguir em frente. Esse livro já havia me chamado atenção há um tempo atrás e, agora, sua resenha só reforçou da importância de conhecer essa história.

    ResponderExcluir
  6. parece ser um livro muuito amorzinho!! eu ja tinha ouvido falar dele, mas n sabia realmente do que se tratava e sempre achei a capa muito linda!!! pelos quotes e formas como você falou sobre Cait senti vontade de entrar na história e abraçar ela, realmente é dificil quando no mundo temos apenas uma pessoa que nos entende, nos faz bem, nos ajuda e essa pessoa se vai, ficamos sem rumo, mas gostei muito que Cait n ficou no comodismo, mas ficou determinada em ajudar o pai e a ela mesma em seguir em frente!! Quero muito ler o livro!!

    ResponderExcluir
  7. Esse livro tem cara de ser maravilhoso eu já tinha visto acaba várias vezes mas eu não sabia que o livro tratava desse tema eu tinha lido recentemente uma HQ da editora Nemo chamada a diferença invisível e também tratava sobre a síndrome de Asperger O que é muito bom sempre ser abordado temas assim visto que essa é o nível baixo de autismo

    ResponderExcluir
  8. Olá, a obra chama atenção por se tratar de uma síndrome que poucos conhecem de forma mais aprofundado, levando aos leitores uma pouco mais sobre como é a vida de um portador. Além disso, é impossível não se cativar pela protagonista, que possui uma força de vontade invejável. Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Oiee!
    Esse livro já me parece tocante. só de olhar a capa tenho essa percepção.
    Me parece emocionante e encantador por ser sob o ponto de vista de uma criança especial, que é tão frágil, mas ao mesmo tempo forte por passar por tantas coisas, e ainda assim ajudar outras pessoas. Quero muito ler.
    Bjs!

    ResponderExcluir

PAGINAÇÃO