04/05/2018

Resenha: Os Quase Completos - Felippe Barbosa

Os Quase Completos
Autor: Felippe Barbosa
Editora: Arqueiro
Páginas: 384
Edição: 1
Ano: 2018
O Quase Doutor é um renomado cardiologista que passa os dias em um hospital, mas no fundo é um artista frustrado. A Quase Viúva é uma professora que está de licença do trabalho para ficar com o noivo, em coma após um grave acidente. O Quase Repórter é um jornalista decepcionado com a profissão que sofre há mais de um ano pelo suicídio da esposa. A princípio, a única coisa que essas pessoas têm em comum é a sensação de incompletude e de desilusão com a vida.
Até que, um dia, o Quase Doutor é persuadido por um velho desconhecido a embarcar com ele em um ônibus rumo a uma jornada para se reconciliar com seu passado. Logo a viagem se transforma em uma aventura extraordinária e, em meio a fenômenos como uma chuva de estrelas cadentes, ele precisa fazer escolhas que mudarão seu destino para sempre.
Enquanto isso, eventos misteriosos levam a Quase Viúva a suspeitar que alguém dentro do hospital quer matar seu noivo e uma pesquisa minuciosa do Quase Repórter revela que sua esposa pode ter sido assassinada. Quando os dois tentam descobrir a verdade sobre seus amados, tudo leva a crer que a resposta está dentro do ônibus do Quase Doutor.
Reunidos num lugar que nunca imaginaram existir, os três serão forçados a enfrentar seus maiores medos e verão que, para se tornarem completos, precisarão encarar a batalha mais difícil de todas: aquela que travamos com nós mesmos.
Foi uma grata surpresa!

Quase Doutor é um médico, mas que não se sente tão feliz com essa vida que está levando. Sempre teve um sonho de pintar, que acabou virando um "hobby", pelo menos é o que ele acha. Em um dia ele é convidado por um senhor a embarcar em um velho ônibus, apesar das ressalvas acaba aceitando. E embarca numa viagem imaginável.
“– Mas sabe... acho que a vida é como um ônibus, afinal. Se você não gosta do seu parceiro de viagem, é sempre possível trocar de poltrona.”
Quase Viúva é uma mulher que desde criança sonhou casar, construir uma família feliz e estava prestes a realizar esse desejo, quando seu noivo sofre um grande acidente e está em coma. Verônica está com medo, cansada e sofrendo diante das circunstâncias.
“– Acha mesmo que se apaixonar faz com que você se anule? Boneca, cada pessoa tem os próprios objetivos! Sonhos que são exclusivamente seus. Na minha humilde e patética opinião, usar algo como um namoro ou casamento como justificativa para não correr atrás de suas realizações é nada menos que uma desculpa para covardia.
Quase Repórter é um homem em que está levando sua vida do jeito que dá, já não está feliz com o trabalho, principalmente após perder a mulher da sua vida - sua esposa, Celina - e que pela polícia foi dado como suicídio, mas ele sabe que não, Celina não se mataria. E vai em busca de respostas, pela verdade do que aconteceu com sua amada.
“É interessante indagar se a rotina pertence a um indivíduo ou se é o indivíduo que pertence à sua rotina.”
Eu não sabia bem o que esperar de Os Quase Completos, livro de estreia do autor Felippe Barbosa. Eu tinha adorado a premissa, por isso resolvi dá uma chance e foi completamente fisgada pela narrativa, pela história e pelos personagens. 

Ao entrar no ônibus, o quase doutor vai para uma outra dimensão, conhecida também como o Oitavo Reino onde passa a viver como sempre quis. Os projetos, sonhos de crianças ganharam realidade nesse novo mundo. Mas será que a vida realmente funcionaria com todos esses sonhos virando realidade? ele sempre tendo tudo que desejou sem correr atrás? E a vida dele antes, como era? No decorrer da história vamos conhecendo um pouco mais desse personagem, aliás o foco maior da história é justamente nele.
“– Por mais que muitas vezes vivamos nossas vidas completamente perdidos e sem direção, a verdade é que cada um possui em sua consciência uma ideia exata daquilo que o faria feliz. Uma espécie de... modelo ideal de vida. Uma existência na qual se sentiria satisfeito por completo.”
Porém sabemos um pouco mais sobre os outros dois, o quase repórter e a quase viúva, que inclusive são fundamentais na história. Sabemos um pouco mais sobre eles, seus desejos e até quando eles começam a lidar com alguns acontecidos. O início do livro é um pouco lento, porque vamos conhecendo os personagens aos poucos e tentando entender, mas depois disso, a narrativa fluí que é uma beleza.

Os Quase Completos trás uma história singular, que mistura doses sobrenaturais com a realidade. E tudo parece tão real, até a questão do oitavo reino sabe?! E fica a lição para o leitor, que talvez, todos nós temos o nosso oitavo reino. Pra mim, essa sensação durante a leitura, foi incrível... Um ponto do Oitavo Reino é que o Quase Doutor tem que reivindicá-lo, mas há um comandante que é completamente insano, quer matar todos e tomar o oitavo reino pra si. Será que ele consegue? será que ele desiste? será que é mesmo tudo tão real?
“O grande defeito dos seres humanos está em ter mais medo de alcançar seus sonhos do que a vontade de conquistá-los.”
Vocês devem estar se perguntando se esses três personagens tem algum tipo de ligação, e a resposta é sim, mas pra saber como só lendo mesmo a obra. No entanto, adianto que foi uma grande surpresa no momento em que caiu a ficha pra mim - foi um pouco antes da revelação, mas ainda tinha ficado com dúvidas. E sabe aquela sensação que estava bem a minha frente e eu não vi? Pois é... o Felippe Barbosa brincou comigo, mas eu amei isso! Só não gostei muito de algumas descrições dadas pelo autor, como "enfermeira obesa", isso me incomodou um pouco, mas não tirou o brilho da trama. 

Sem dúvidas Os Quase Completos é um livro incrível, que trás uma mensagem que nos faz refletir sobre os nossos sonhos do passado, sobre o nosso presente e de como vamos viver nosso futuro. Como vamos tocando a vida, sem perceber que deixando os nosso sonhos, amores, desejos de lados pelas responsabilidades do dia a dia, das prioridades do momento e até mesmo das opinião das pessoas próximas.
“– A vida não é infinita, mas é tolice pensar que temos prazo de validade. Mudar os rumos de suas ações é válido até o seu último segundo na Terra. Nunca se é velho demais para admitir seus erros e jogar tudo para o alto. Nunca se é velho demais para recomeçar.”
Durante a obra teve momentos em que eu ri, outros que chorei e o tempo inteiro fiquei encantada com a narrativa e os personagens bem construídos. Quando cheguei ao final da obra, fiquei querendo saber mais dos outros personagens... A diagramação interna está ótima, não encontrei erros e o que dizer dessa capa? Apenas que é linda. No mais, super recomendo a obra, vale a pena!
“Nunca se limite ao "quase". Não há nada mais depressivo do que beirar um sonho e jamais tentar alcançá-lo.”


16 comentários

  1. Oi, Kamilla.

    É impressionante essa conexão que os personagens têm, né?

    Por poderem, juntos, conseguir algo que eles tanto buscam.

    ResponderExcluir
  2. Oi Kamilla,
    A primeira coisa que me perguntei foi se os personagens tinham alguma ligação, achei interessante como ele ligou lá "vazios" que os três sentem. Estou bem curiosa sobre essa nova dimensão ...
    Sobre os tipos de palavras que te incomodaram, eu também não gosto muito, mas talvez isso também seja uma lição, ler isso com base nos pensamentos ou falas de outros personagens nos faz refletir sobre como é errado não é?
    Enfim, claro que quero ler.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi, Kamilla
    Eu gosto do título porque tem tudo a ver com os personagens, explica muito bem como eles se sentem e o que são. Eu ainda não li mas estou com ele na minha wishlist, é sempre bom ler algo com realidade e sobrenatural, pra sair da mesmice. A capa é linda demais!
    Beijos

    http://www.suddenlythings.com/

    ResponderExcluir
  4. Uau estou impactada já com essa resenha, estava torcendo pra você dizer que existe uma ligação entre os personagens e agora estou ainda mais curiosa. A história me parece tão envolvente, daquelas que você não quer largar o livro por nada. E sobre as lições que esse livro traz é um verdadeiro tapinha na cara, sobre o modo que estamos vivendo sobre sonhos que podemos ter deixado para trás por não perceber a vida passando tão depressa. Ta na minha lista!

    ResponderExcluir
  5. Eu não conhecia o livro, mas adorei as considerações na resenha. Conhecer um pouco sobre o enredo simplesmente me encheu de vontade de ler. Esse linha sutil que parece separar a dura realidade de todo um mundo que sonhamos pra gente é fascinante. Quem nunca imaginou a vida como seria se tivéssemos tomando caminhos diferentes? Fiquei muito curioso em conhecer de perto a história de Os quase completos.

    ResponderExcluir
  6. Oi Kamilla.
    Esse livro parece incrível. Adorei a premissa dele e é bom saber que a história te surpreendeu positivamente.
    Já tenho as minhas suspeitas sobre como as vidas desses 3 personagens se entrelaçam. Vou ler o livro e ver se acertei rs
    Acredito que estamos sempre em busca de algo, não estando completo. Então achei o título desse livro brilhante! =)
    Adorei essa capa! É tão linda!
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Olá Kamilla,
    Eu já tinha visto esse livro, mas nunca tive curiosidade de saber mais sobre a estória dele.
    Achei legal essa ideia de viver em um lugar onde os sonhos se tornam realidade, mas com certeza isso seria um problema tbm
    Mesmo depois de ter lido a sua resenha, eu não sei se quero ler esse livro.

    ResponderExcluir
  8. Olá, o contexto da história me remeteu à trama de O Reino das Vozes que Não se Calam, mas acho que é porque há uma perspectiva psicológico em ambas as histórias. É inegável que o autor criou um enredo bem original e com personagens com os quais é fácil criar empatia. Espero conhecer esses quase personagens em breve. Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Uau Kamilla!
    Fico extremamente feliz em saber que esse livro é tudo isso, pois confesso que apesar de ter adorado a premissa, estava com receio de que a história não teria tanto potencial assim. Então é uma grata surpresa ler essa resenha e saber que o livro é incrível. Que história singular mesmo, mesclando cenas sobrenaturais com a realidade, com certeza proporciona uma leitura única, fisgando o leitor com essa narrativa intrigante e envolvente. O ponto alto do livro pelo jeito são os personagens, que são bem trabalhados, sem falar nesse mistério que permeia na ligação entre os três.
    Estou ansiosa para ler esse livro!
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Gostei muito da resenha; mas além da capa, nada mais me chama atenção.

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Confesso que ler a sinopse deixa a gente um pouco confusa. De início, pensei que talvez não iniciaria um livro desse. Mas que bom que temos blogs que nos fazem resenhas tão boas ! Adoro livros que me deixam com a sensação de querer mais, descobrir o que está acontecendo e ainda por cima, ficar boba com o final. Claro que a curiosidade maior é se perguntar em qual momento esses três vão se conectar, porque não consigo imaginar nada, hahaha.
    Que bom que gostou tanto da leitura, abraços.

    ResponderExcluir
  12. Não dava muito pelo livro, mas agora, parece ser uma leitura diferente e que deixa o leitor pensando em tantas coisas. Parece ser uma leitura que mexe com nossas emoções e que nos envolve. Fiquei intrigada em saber como esses personagens vão se conectar, deve ser uma historia bem trabalhada principalmente esse detalhe.

    ResponderExcluir
  13. Quando li a primeira resenha deste livro, já o coloquei na lista de desejados. Uma premissa totalmente diferente do que a gente está acostumada.
    Os Quase..rs Se unindo ali, mesmo que de uma forma tão fora dos padrões.
    E isso de misturar sobrenatural e realidade é algo também que eu aprecio muito.
    Espero ler ele em breve.
    Beijo

    ResponderExcluir
  14. Oi Kamilla,
    Só em ler a sinopse deu para perceber que o livro trás algumas surpresas, pois o que parecia ser só um drama, me parece que irá se transformar em uma investigação com um toque sobrenatural. A ideia do quase nessa obra é o que faz a história ser tão interessante para mim, pois mostra um lado mais real da vida de qualquer pessoa, afinal de contas todos somos incompletos. Acho que ao inserir o 8ª reino, o autor trabalhou com a válvula de escape (aquele lugar que todos tem para fugir da realidade) e isso foi genial. O livro, com certeza, tem um diferencial e o desenrolar dessa história e a ligação entre os personagens fazem com que tudo seja mais curioso.

    ResponderExcluir
  15. An-nyong-se-ha-yo!
    AAA que maravilhosa essa última frase <3
    Esse ônibus vindo do nada me lembra a lenda de Setealém, credo kkk
    Quero muito ler esse livro desde que comecei a ler resenhas sobre ele. E nós somos assim mesmo né, sempre quase alguma coisa. Acho que irá me tocar bastante.

    ResponderExcluir
  16. Eu julguei livro pela capa, confesso.
    Mas depois que vi a premissa fiquei super encantada, achei a ideia bem diferente com todos esses quases.
    Acho que parece uma leitura bem reflexiva, que nos desperta várias emoções.

    beijinhos
    She is a Bookaholic

    ResponderExcluir

PAGINAÇÃO