08/06/2018

RESENHA: Uma Proposta & Nada Mais - Mary Balogh

Clube dos Sobreviventes #1
Autora: Mary Balogh
Editora: Arqueiro
Páginas: 272
Edição: 1
Ano: 2018
Primeiro livro da série Clube dos Sobreviventes, Uma Proposta e Nada Mais é uma história intensa e cativante sobre segundas chances e sobre a perseverança do amor.
Após ter tido sua cota de sofrimentos na vida, a jovem viúva Gwendoline, lady Muir, estava mais que satisfeita com sua rotina tranquila, e sempre resistiu a se casar novamente. Agora, porém, passou a se sentir solitária e inquieta, e considera a ideia de arranjar um marido calmo, refinado e que não espere muito dela.
Ao conhecer Hugo Emes, o lorde Trentham, logo vê que ele não é nada disso. Grosseirão e carrancudo, Hugo é um cavalheiro apenas no nome: ganhou seu título em reconhecimento a feitos na guerra. Após a morte do pai, um rico negociante, ele se vê responsável pelo bem-estar da madrasta e da meia-irmã, e decide arranjar uma esposa para tornar essa nova fase menos penosa.
Hugo a princípio não quer cortejar Gwen, pois a julga uma típica aristocrata mimada. Mas logo se torna incapaz de resistir a seu jeito inocente e sincero, sua risada contagiante, seu rosto adorável. Ela, por sua vez, começa a experimentar com ele sensações que jamais imaginava sentir novamente. E a cada beijo e cada carícia, Hugo a conquista mais – com seu desejo, seu amor e a promessa de fazê-la feliz para sempre.
Uma Proposta e Nada Mais é o primeiro livro da série Clube dos Sobreviventes da Mary Balogh, daquelas séries de romances de época onde cada livro é com personagens diferentes. Nesse primeiro livro conhecemos a história de Hugo Emes, conhecido também como Lorde Trenthan, que é ex-soldado responsável por comandar uma missão suicida, apesar de ser considerado heroi por alguns, se sente culpado por muitos dos companheiros que faleceram. Por isso anualmente ele vai pra casa de um amigo, que também passou por um momento difícil, onde se encontra com outros companheiros que passaram por algum tipo de trauma e assim foi formado o Clube dos Sobreviventes. 

Faz um ano que seu pai falecera e como ficou responsável pelo negócio da família, tem que ter herdeiros e ainda possui uma irmã mais nova pra cuidar e casá-la, resolve que depois do encontro com o Clube vai encontrar uma esposa pra ajudá-lo. Eis que conhece, no primeiro dia que chega para o encontro, a jovem viúva Gwendoline - Lady Muir. Uma mulher bonita, mas que foge da perfeição no que diz respeito aos padrões de beleza e sobre as opiniões. A atração fica claro entre os dois, mas será suficiente? Gwen é uma mulher da aristocracia e ele só conseguiu o título por ter sido soldado, mas é classe média. Pra nós leitores não há diferença, mas pra eles isso acaba pesando...
“Não acredito que exista certo ou errado. O que existe é fazer o necessário sob determinada circunstância e viver com as consequências, unindo todas as experiências, boas e ruins, no tecido da própria vida para, no fim das contas, encontrar um padrão e aceitar as lições recebidas.”
O livro é gostosinho de ler, já nas primeiras páginas nos deixam curiosos pra conhecer o restante dos participantes do Clube dos Sobreviventes, pelo pouco que apareceram parecem ter histórias incríveis pra serem contadas. Bom, o Hugo é um cara que se sente culpado pela missão suicida que comandou, por ter deixado o pai de lado pra lutar na guerra e isso acaba sendo um fardo grande pra ele... Já a Gwen é uma moça que de alguma forma se sente culpada pela morte de seu marido, mas só vamos saber um pouco mais sobre no final. O Hugo é daqueles homens turrões, mas que na verdade é só uma casca sabe? Eu gostei bastante dele, por mais que ele sentisse algo, não conseguia demonstrar por medo, receio, dúvidas. Já a mocinha me irritou...
“A vida era feita de escolhas, e cada uma delas, mesmo as mais insignificantes, faziam diferença na trajetória da pessoa.”
Gwen é uma mulher inteligente e algumas vezes eu gostei bastante da visão dela, porém as vezes umas frases totalmente desnecessárias, onde eu ficava com vontade de bater em seu rostinho. Ela sempre viveu no mundinho cheio de privilégios, e pra agradar a opinião de alguns familiares, diminuiu o Hugo porque o mesmo não fazia parte da aristocracia (ok, isso ele nem ficou sabendo, mas doeu em mim). E olhem que ele engoliu seus orgulhos e ela rejeitando sem nenhum motivo plausível pra isso. Me pareceu que a autora queria fazer aquele lance de gato-e-rato, mas nessa história não funcionou... os personagens tem uma bagagem forte, com problemas fortes e poderia ter trabalhado melhor nisso. 

Porém, ao mesmo tempo que me chateou essa demora para as coisas acontecerem, fez com que os dois se conhecessem melhor e puderam amadurecer realmente a relação deles e os sentimentos que nutriam. A protagonista começa a conhecer a realidade do Hugo e a família dele e isso eu achei bem bacana, apesar de ter tido um pouco de receio, foi sem nenhum preconceito e aproveitou bastante a presença deles e vendo que na real não há tantas diferenças assim... principalmente quando se há sentimentos.
“– As pessoas compreendem a linguagem do coração, mesmo que a cabeça nem sempre consiga.”
Uma Proposta e Nada Mais tem uma trama gostosa, que me irritou algumas vezes, acabei sentindo falta de mais aprofundamento nas questões emocionais e traumas dos personagens (adoro um drama), mas foi um livro que me cativou e encantou. Simplesmente adoro ver quando os personagens evoluem, amadurecem no decorrer da trama! Sem dúvidas já quero ler os demais livros dessa série.
“O medo deve ser desafiado, foi o que descobri. Ele fica poderoso quando permitimos que nos domine.”


14 comentários

  1. Sou apaixonada por um bom romance de época e este livro está na minha lista de desejados tem um bom tempo!
    Adoro histórias de amor que nascem das diferenças, de onde menos se espera. E também gosto muito quando o autor ou autora, conseguem trazem personagens com passado. Sabe, aquele tipo de dúvida no recomeçar. E este livro acima parece ter muito isso.
    Também adoro um drama.rs mas sinto que vou adorar este livro quando o ler!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Oi, Kamilla.

    A diferença entre ambos e a história de vidas deles, só fazem com que o enredo ganhe mais destaque e torne a leitura mais dinâmica.

    Sem dúvidas, Gwen e Hugo, são personagens com características capazes de gerar afeição no leitor.

    ResponderExcluir
  3. Esse livro não consegue me chamar atenção; confesso que não gosto nem da capa.
    Mas imagino que tenha diálogos profundos levando em consideração que são sobreviventes.
    Mas pelo menos no geral foi uma boa leitura para você.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Oi Kamilla,
    Sempre vejo ótimas críticas sobre os livros de Mary Balogh, mas como não tenho costume de ler romances de época ainda não pude conferir sua escrita. O mais interessante de Uma proposta e nada mais e, talvez o maior diferencial, está no fato de que a relação entre os protagonista não irá surgir através de um arranjo ou acordo. Todo o envolvimento será de uma forma natural entre personagens maduros e centrados. Os traumas abordados (principalmente por parte de Hugo) conferem uma certa seriedade a história e, também, já fiquei curiosa para saber mais sobre as histórias dos integrantes do Clube dos Sobreviventes. Só, talvez, a autora tenha pecado em não ter aprofundado mais neste ponto. Gostei muito da capa, é simples, mas parece combinar bem com a história.

    ResponderExcluir
  5. Amo romances de época e esse é um dos que mais quero ler. Amo quando a história junta dois personagens que são oposto um do outro que lutam até o fim contra o sentimento entre eles e depois se rendem <3 Gwen e Hugo são tão diferentes fazem um romance gostoso de se ler e que não ficou cansativo apesar da demora em acontecer algo entre eles.

    ResponderExcluir
  6. Oi Kamilla,
    Sou fã de romance de época, porém, ainda não tive a oportunidade de conhecer a narrativa da Mary Balogh.
    Estou apaixonada pela capa de Uma Proposta e Nada Mais, não vejo a hora de ter essa coisa linda na minha estante, e acredito que os demais livros da série serão igualmente deslumbrantes.
    Adorei saber que esse romance traz um diferencial do que estamos acostumadas a encontrar em livros do gênero, um relacionamento entre uma aristocrata viúva e um ex-militar burguês. Nada de um libertino galanteador e uma mocinha indefesa em busca de um noivo com título. Já estou conquistada por esse casal, a Gwen e Hugo, que começam um relacionamento aos poucos, com base na amizade.
    Pelo jeito essa série será muito prazerosa de ler, com os demais participantes do Clube dos Sobreviventes.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Olá Kamilla,
    Adoro romances e ainda não tive oportunidade de ler livros da Mary Balogh.
    Essa série pelo primeiro livro pude perceber que é um pouco diferente dos outros romances que são clichês.
    Tenho certeza que apesar da Gwen ser um pouco chata, ela e Hugo puderam se conhecer mais, imagino que seja um romance gostoso de ler.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Também adoro um drama rs. Essa personagem deve ser bem irritante fiquei me perguntando se teria paciência com ela, ainda bem que o mocinho se salva rs. É muito bom acompanhar o crescimento dos personagens, ver o quanto eles mudaram, ainda mais pelo fato dos dois terem seus traumas do passado.

    ResponderExcluir
  9. Kamilla!
    Bom ver que o livro foge da mesmice dos romances que estamos acostumadas a ler e traz um diferencial, tornando a leitura ainda mais agradável e fácil de o leitor se envolver com os protagonistas, suas dúvidas, receios, a descoberta do amor...deve ser lindo!
    Sinto que tenha faltado aprofundamento em sua opinião e que atrama a irritou em algumas partes.
    Uma semana cheia de luz e paz!
    “Sou uma pessoa insegura, indecisa, sem rumo na vida, sem leme para me guiar: na verdade não sei o que fazer comigo.” (Clarice Lispector)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA JUNHO - 5 GANHADORES
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  10. Oi Kamilla, eu gostei bastante do livro! Aliás, geralmente amo os romances de época, hahaha. No início fiquei super curiosa em saber como o ogro do Hugo iria se apaixonar, juro que não pensava em nada. Adorei as conversas entre eles, Hugo sempre bem sério mas que tinha um toque de humor no ar. Foi uma leitura muito agradável, apesar da mocinha ser chata às vezes. Com certeza é uma indicação minha :)
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Só li críticas boas desse livro, os personagens são bem distintos e cada um vai atrás do que acha certo e gosta, embora sejam diferentes um do outro, ambos tem uma garra e personalidade forte. Espero que tenham superado suas diferenças e deixem o que sentem um pelo outro fluir!

    ResponderExcluir
  12. Primeira vez que ouço falar desse livro e realmente estou animada pra ler. Eu gosto muito de romances de época, e dessa história toda de uma classe não querer se envolver com a outra, porque isso ai dá pano pra muita história. Espero poder ler !

    ResponderExcluir
  13. Já vi algumas outras críticas sobre o livro e muitas pessoas tem falado bem, o que me deixa com vontade de ler. Também não sou muito amante de livros que vão mais devagar, que as coisas demoram a acontecer, mas se valeu a pena essa espera então é de boa! :D

    ResponderExcluir
  14. Oi, Kamilla!
    Adoro romances de época e fiquei bem curiosa quando vi essa nova série Clube dos Sobreviventes. Gostei muito da premissa e curto muito livros onde os personagens amadurecem e evoluem e mesmo que a Gwen tenha sido um pouco arrogante desprezando o Hugo por motivos dele não fazia parte da aristocracia. Mas tenho certeza também que ela teve que dar a cara a tapa e voltar atras para ser feliz com o Hugo.
    Bjos

    ResponderExcluir

PAGINAÇÃO