12/04/2019

RESENHA: Princesa das Cinzas - Laura Sebastian

Princesa das Cinzas #1
Autora: Laura Sebastian
Editora: Arqueiro
Páginas: 352
Ano: 2018
Primeiro volume de uma trilogia épica.
PRINCESA
PRISIONEIRA
ÓRFÃ
REBELDE
Theodosia era a herdeira do trono de Astrea quando seu reino foi invadido, deixando um rastro de destruição.
Dez anos depois, a princesa, órfã, prisioneira e subjugada, percebe que não lhe resta mais nada, a não ser lutar pela própria liberdade.
O passado, que por tanto tempo ficou enterrado, agora precisa vir à tona para mostrar a Theodosia os caminhos que poderão levá-la de volta ao trono.
Mas Theo conseguirá ser a rainha de que seu povo precisa? Ou será que anos de humilhações transformaram a herdeira da Rainha do Fogo em meras cinzas?
O livro tem uma trama bem instigante, mas...

Theodosia era a princesa de Astrea, tinha uma relação incrível com a sua mãe - a rainha. Mas tudo muda quando Astrea é invadido pelo povo kalovaxiano e sua mãe é assassinada na sua frente, Theo era apenas uma criança quando tudo aconteceu e mesmo se passando dez anos ainda lembra vividamente daquele dia. Sua terra foi invadida, sua mãe morta e ela virou uma prisioneira troféu, que o Kaiser (o líder kalovaxiano) usa pra mostrar aos restante dos astranos quem manda. E ele não mede meios pra usá-la, sempre que acontece uma rebelião é ela que sofre as consequências como forma de punição, são espancamentos, chicotadas e a humilhação de usar uma coroa de cinzas (por isso o título).
“Minha mãe era conhecida como a Rainha do Fogo, majestosa e forte. Mas eu sou a Princesa das Cinzas, uma piada viva.”
A nossa protagonista agora é chamada de Thora pelo povo kalovaxiano e sobreviveu esses dez anos diante todas essas humilhações, sempre calada, com medo, retraída... a única coisa que ajuda a lidar com tudo isso é a Cress, filha de theyn - melhor guerreiro do Kaiser e o responsável por executar a rainha de Astrea. Ela acha que é a única pessoa que a trata de forma decente, porém após alguns acontecimentos, acaba descobrindo alguns aliados e com eles começam um plano pra tirar o Kaiser do poder e retomar Astrea.
“– Talvez eles a tenham ferido, mas, por causa disso, você agora é uma arma mais afiada. E está na hora de atacar.”
Eu tinha certa expectativa em relação a obra, porque a premissa é totalmente instigante e a a trama de fato é, mas com alguns problemas. Theo sofreu muito nas mãos do povo kalovaxiano e quando vê a oportunidade de vingar sua mãe, seu povo e se ver livre, ela se agarra a isso. Só não imaginava que iria começar a gostar do filho do Kaiser e de sentir culpada por causa da amizade com a Cress.

Princesa das Cinzas trás uma trama muito instigante, de uma rainha que nunca pôde assumir esse posto, mas que agora a faísca virou algo mais intenso, ela não deixará seu povo na mão. Ela é resoluta, forte, determinada, sagaz e inteligente, mas que ao mesmo tempo se mostrou bem irritante. Ora ela diz que não vai medir esforços pra salvar o seu povo, ora sente pena da filha do assassino da mãe e do filho do mandante, Sørem.
“Pensei que havia matado essa esperança quando o matei, mas percebo agora que não. A esperança dentro de mim ainda não foi sufocada. Ela está morrendo, sim, restando-lhe apenas algumas brasas. Mas já vi fogos serem reavivados com menos.”
A Thora é uma personagem incrível, mas a inconsistência dela me irritou bastante. É compreensível e até humano você se apegar e ter um carinho por pessoas que te trataram bem, diante de tantas humilhações. Mas havia coisas maiores a serem levadas em consideração e a própria protagonista sabia bem disso, só que em alguns momentos "esquecia" disso. Como esquecer quem assassinou sua mãe? ou mandou fazer isso?

Já nos primeiros capítulos fica subtendido que teremos um triângulo amoroso e em relação isso estou bem em cima do muro. Não desgosto, mas há tantas coisas mais importantes na trama do que relacionamentos... Não falarei quem são, mas gostei dos dois, apesar de ter inclinação pra um dos dois. Só vai dá pra ter uma noção maior nos próximos volumes.
“Deveria ser simples: um é meu aliado, outro é meu inimigo. Em um mundo perfeito, nenhum dos dois passaria disso, a fim de manter as coisas descomplicadas, mas não parece haver esperança de que isso aconteça agora.”
E sobre os demais personagens: gostei bastante dos aliados astreanos, principalmente Art que tem uma língua afiada e uma mente mais ainda. O Sørem é um personagem que eu gostei bastante, daqueles que não queria fazer os mandados do pai, mas que também não bate de frente com ele por medo. Já a Cress, aparentemente é inofensiva, mas desde o primeiro momento fiquei com o pé atrás com ela... se eu tenho razão? não sei.

Princesa das Cinzas foi um livro bem instigante e introdutório já que é o primeiro livro de uma trilogia. Ele promete muito mais do que cumpre, mas isso não quer dizer que seja ruim... como é a introdução, pode ser que tenhamos mais ação e maturidade da protagonista nos próximos livros. E espero que a trama não se prenda no triângulo amoroso (estou com medo que isso aconteça). A narrativa é viciante, os personagens são bem construídos e a capa é linda! Vale a pena conhecer a obra.


6 comentários

  1. Desde que este livro foi lançado, namoro ele. Amo o gênero e convenhamos, a capa deste livro é maravilhosa!!!
    O enredo também tinha e talvez até tenha tudo para ter funcionado, mesmo com tantos pontos negativos, essa falta de aprofundamento na personagem Thora, é preciso entender que é apenas o primeiro livro e é preciso se ter esperança que os demais livros vão ser mais intensos e talvez trazer até este maior envolvimento da personagem com seu passado.
    Afinal, não se deixa tanto acontecimento assim, simplesmente de lado né?
    Aguardemos! rs
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Oi, Kamilla!
    Menina, eu odiei esse livro. Tirando Cress e Soren, pode tacar fogo em todo mundo.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  3. Só de ler essa primeira frase na sua resenha já me deu um aperto no coração. Esse mas acaba com qualquer expectativa.
    Realmente, falta de maturidade na protagonista irrita um pouco, principalmente quando ela precisa ser muito forte.
    Mas, no todo, eu gostei bem do enredo. Parece um pouco diferente das distopias que costumamos ver normalmente.
    Essa é uma série que irei ler com certeza.

    ResponderExcluir
  4. Kamilla!
    Se o livro é bem escrito e tem boas personagens, mesmo com um enredo que não seja tão inusitado, deve proporcionar uma boa leitura para quem gosta do estilo como eu, por isso gostaria de poder ler.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  5. Eu tenho vontade de ler esse livro, apesar de alguns pontos negativos.
    Estou na torcida de que os próximos sejam melhores.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi Kamilla,
    Fantasia foi o primeiro gênero que me conquistou quando iniciei no mundo literário, mas nos últimos anos tenho achado mais difícil me conectar com os personagens desse tipo de trama, tanto que quase não tenho adquirido ou lido livros do gênero. Princesa das Cinzas trás uma trama bem interessante e talvez seja exatamente o tipo de leitura que estava procurando, nada muito inovador, mas com uma narrativa que consiga me prender. Thora tem uma vida difícil, presenciou a morte da mãe e foi escravizada pelo povo que arruinou sua vida. Consigo ver que a personagem carrega muita bagagem emocional, ela tem lutas diárias e precisa se manter firme na esperança de que será salva. Então vê-la “esquecendo” sua vingança não seria algo que me irritaria muito na trama, pois há uma parte psicológica que deve ser levada em consideração. O triângulo amoroso seria minha única preocupação imediata, pois não gosto e pela minha experiência em livros do gênero, eles só servem para tirar o foco dos principais acontecimentos da trama.

    ResponderExcluir