08/11/2019

RESENHA: A Corrente - Adrian McKinty

A Corrente
Autor: Adrian McKinty
Editora: Record
Páginas: 378
Ano: 2019
Vítima.
Sobrevivente.
Sequestrador.
Criminoso.
Você vai se tornar cada um deles.
O dia começa como qualquer outro. Rachel Klein deixa no ponto de ônibus a filha de 13 anos, Kylie, e segue sua rotina. Mas o telefonema de um número desconhecido muda tudo. Do outro lado, uma voz de mulher avisa que Kylie está no banco de trás de seu carro, e que Rachel só verá a filha de novo se pagar um resgate ― e sequestrar outra criança.
Assim como Rachel, a mulher no telefone é mãe, também teve o filho sequestrado e, se Rachel não fizer exatamente o que ela manda, o menino morre, e Kylie também. Agora Rachel faz parte da Corrente, um esquema aterrorizante que transforma os pais das vítimas em criminosos ― e, ao mesmo tempo, deixa alguém muito rico.
A Corrente é implacável, apavorante e totalmente anônima. As regras são simples: entregar o valor exigido, escolher outra vítima e cometer um ato abominável do qual, apenas vinte e quatro horas antes, você se julgaria incapaz. Rachel é uma mulher comum, mas, nos dias que se seguem, será levada a extremos que ultrapassam todos os limites do aceitável. Ela será obrigada a fazer escolhas morais inconcebíveis e executar ordens terríveis. Os cérebros por trás da Corrente sabem que os pais farão qualquer coisa pelos filhos. Mas o que eles não sabem é que talvez tenham se deparado com uma oponente à altura. Rachel é inteligente, determinada e... uma sobrevivente.
Uma mãe faria de tudo pra salvar sua filha? inclusive sequestrar uma criança?

Rachel Klein está passando por várias transições, vai voltar a trabalhar em breve e acha que talvez esteja com câncer novamente. Mas de repente tudo isso deixa de ter importância, quando recebe uma ligação desconhecido dizendo que sua filha de 13 anos, Kyle, foi sequestrada.

Para ter sua menina de volta precisará depositar um valor altíssimo e sequestrar uma outra criança, pra dar continuidade A Corrente. Rachel pede auxílio do Pete, seu ex-cunhado, pra ter sua filha de volta (mas isso só será possível, se A Corrente permitir).

A Corrente é assim, manda e desmanda, faz as pessoas fazerem coisas horríveis. Sequestrar crianças, pedir dinheiro e se for necessário, matar. E eles controlam tudo, observam tudo e se algo sair do esperado, tomam decisões que afetam todos.
“É isso que a Corrente faz com você. Ela te tortura e te obriga a torturar outras pessoas.”
Estava bem animada pela leitura desse livro, já tinha lido muitos comentários positivos e o que falar da premissa? é muito instigante. Mas não foi tão eletrizante quanto achei que seria.

A premissa de ter uma Corrente e colocar os personagens nessa situação foi uma sacada muito singular, porque mesmo sem ser mãe, já imagino o quão grande é esse amor. Então colocar uma mãe  na situação de: escolher ter seu filho de volta, mas pra isso ter que sequestrar outra criança ou ir a polícia e seu filho morrer. É uma situação difícil e a Rachel foi incrível, fez de tudo pra ter sua filha de volta e mais um pouco pra não perder sua filha em vida - porque como bem sabemos, traumas desestabilizam qualquer um.

Como disse, achei que seria uma obra mais eletrizante, infelizmente não foi, mas ainda assim é daqueles que te prende pra saber o que vai acontecer. A obra é dividia em duas partes, sendo a primeira a maior, consumiu mais da metade do livro e foi a mais lenta, mas como os capítulos são bem curtos deu dinamicidade na leitura. A Segunda parte é onde as coisas ficam mais interessantes, temos mais pontos de vista dos criadores da corrente e como a Rachel está lidando com tudo após ter sua filha de volta.
“Morrer não é a pior coisa que pode acontecer com uma pessoa. A pior coisa que pode acontecer a alguém é ver alguma coisa acontecendo com o seu filho.”
A conclusão teve seu momento eletrizante e instigante, apesar de ser um pouco previsível pra mim, foi um final ótimo.

Rachel foi uma personagem brilhante, inteligente e perspicaz. Fez o que a maioria das mães faria no lugar dela, mas sempre parava e questionava suas ações, o que só a fez mais humana. Destaco a Kyle, que foi ótima, mas que tomou decisões maduras e adultas demais para uma menina de 13 anos, não consegui visualizá-la com essa idade. Pete tinha seus próprios problemas, mas deixou de lado pra apoiar e ajudar a Rachel e fez isso principalmente por amar incondicionalmente a sobrinha.

A Corrente é um livro instigante, que te deixa ávido por saber o que acontecerá a seguir. Adrian McKinty tem uma narrativa fluída e ágil, sabe bem como prender o leitor. Recomendo!


9 comentários

  1. Um dos lançamentos que mais estou doida para conferir! Ele realmente rendeu ótimas resenhas, mas também tem a turma do "não é tudo isso". rs
    Por isso, se eu já estava com os pés atrás, fiquei mais ainda. Apesar de não costumar criar expectativas, é inevitável pois um enredo assim, meio que tira a gente da zona de conforto né?
    Seríamos capazes de tudo realmente para salvar um filho?
    Não sei, penso que sim, mas...rs
    Mesmo com estes "errinhos" quero muito tirar minhas conclusões!!!!
    Beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na flor

    ResponderExcluir
  2. Olá! Eita que deve ser frustrante quando você vai com tanta sede ao pote em relação a um livro, principalmente em razão de tanta propaganda positiva, e ele derrapa em alguns pontos. Realmente o enredo do livro é bastante inovador e daqueles que com certeza vai prender o leitor, esse é um gênero que não leio muito, mas que sempre desperta meu interesse, por isso vai para a minha lista de desejados.

    ResponderExcluir
  3. Olá,
    Não sou mãe, mas já fiquei angustiada com a situação dessas mães.
    Não conhecia esse livro, mas só posso dizer que pirei e quero muito ler ele.
    Vou tentar não ficar tão empolgada, para não me desapontar, como você ficou ;/

    ResponderExcluir
  4. Essa premissa é de tirar o fôlego! É bem original, do jeito que eu gosto! Eu nunca pensaria em algo assim.
    A situação dessa mãe deve ser desesperadora e muito interessante de ler. Quero muito saber qual será sua atitude, vou colocar na minha lista.

    ResponderExcluir
  5. Confesso que não sou fã de thrillers (é um gênero que me causa desconforto, mas essa é a intenção, não é mesmo?), mas achei essa premissa muito original e até me desperta curiosidade.
    Uma pena que a leitura não seja tão eletrizante quanto poderia ser.
    Mas uma coisa é fato: não saberia o que fazer nessa situação.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Kamilla!
    Adoro thriller, e tao instingante, aí que quero mesmo ler.
    Nossa! Uma verdadeira corrente de crimes mesmo, hein? Credo!
    Interessante a narrativa em terceira pessoa, mas no presente, um tantinho diferente.
    Bem angustiante mesmo, cheio de tensão e intenso, hein?
    Já fiquei bem interessada, ainda mais por toda temática que aborda esse lado mais instintivo do ser humano.
    Ganhei esse livro e aguardo chegar para ler.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  7. Oi Kamilla,
    Não há dúvidas de que A Corrente tem umas das premissas mais instigantes que já li e isso foi mais que suficiente para me deixar curiosa pela leitura. Bom, dizem que nunca se deve mexer com uma mãe, pois essa está disposta a tudo pelo seu filho. Esse livro trabalha bem essa questão, mas com uma protagonista que não deixa de lado seus valores e se questiona perante os desafios. Achei isso muito sensato por parte do autor. Mas como tenho visto muito em livros do gênero, o autor cria uma história incrível, cheia de potencial, mas não o aproveita totalmente. E, pelos comentários que já havia lido e agora com sua resenha, em A Corrente ocorre o mesmo. Apesar de um detalhe e outro, você conseguiu apontar tudo o que seria relevante saber antes da leitura. Ainda quero muito ler este livro, mas vou diminuir minhas expectativas, para ter uma leitura mais proveitosa. E eu não podia deixar de mencionar o filme O Sequestro protagonizado pela Halle Berry, pois a premissa deste livro me lembrou do longa. Para quem não assistiu eu recomendo.

    ResponderExcluir
  8. Olá! De fato, a premissa é bem instigante, achei a mesma bem original.
    Que situação difícil a dessa mãe, já é desesperador ter a filha sequestrada, ter de sequestrar outra criança torna tudo ainda pior.
    É uma pena que todo o potencial do livro não foi utilizado, pois o autor tinha uma trama e tanto em mãos, mas ainda assim parece uma ótima leitura, que prende a atenção do leitor e o faz ansiar pelo desfecho.
    Obrigada pela indicação! Adorei a resenha!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Quero muito ler esse livro, mas fiquei um pouco desanimada, por ter partes lenta e não ser eletrizante, pois espera mais adrenalina, mas mesmo assim quero conferir adoro esse gênero e fiquei curiosa em saber como vai acabar com essa corrente, é muito difícil a decisão da protagonista as coisas que tem que fazer, isso nos coloca no lugar dela, para pensarmos em como agiria.

    ResponderExcluir